Para produzir memória, Controversas inicia a sua oitava edição

Por Douglas Dayube

O Instituto de Arte e Comunicação Social (IACS) recebeu em seu auditório a oitava edição do Projeto Controversas. Com o objetivo de contribuir para a formação de memória do país, os debates giraram em torno do Golpe Militar de 1964, que em 2014 completa cinquenta anos. Entre os debatedores estavam profissionais do Jornalismo, História, Educação e Direito, todos com a intenção de esclarecer à plateia, lotada de jovens estudantes, as questões relacionadas à Ditadura que vigorou no país durante 21 anos. O Projeto é realizado pelos estudantes de Jornalismo da Universidade com a supervisão da Professora Larissa Morais.

O primeiro dia de debates ficou marcado pela discussão sobre o legado que a Ditadura deixou para a atualidade e como os meios de comunicação alternativos conseguiram sobreviver à censura imposta pelos órgãos repressores. Na primeira mesa, participaram o doutor em História pela UFF Hugo Belluco; o Presidente da Comissão da Verdade do Rio Wadih Damous; Ivo Herzog, que é Diretor  Executivo do Instituto Vladimir Herzog e o ex-militante e assessor de comunicação da Comissão Estadual da Verdade Cid Benjamin. A mediação ficou a cargo do Professor da UFF João Batista.

Quem iniciou o ciclo de discussão foi o historiador Hugo Belluco, que questionou o suposto apoio da sociedade brasileira ao Golpe Militar. Ele salientou que uma pesquisa feita pelo Ibope durante o regime é controversa, pois a população se sentia pressionada a dizer que aprovava a Ditadura com medo de represálias. Para ele, a reação do povo, como a realização de greves, contra as atrocidades cometidas durante o período ajudou a acelerar a transição para o regime democrático, na metade da década de 1980.

A primeira mesa debateu o legado deixado pela Ditradura. Ivo Herzog, ao falar da morte de seu pai, lembrou de José Maria Marin homenageando um torturador quando era Deputado

A primeira mesa debateu o legado deixado pela Ditradura. Ivo Herzog, ao falar da morte de seu pai, lembrou de José Maria Marin homenageando um torturador quando era Deputado (Foto: Ildo Nascimento)

Ainda de acordo com Belluco, a renovação da esquerda, vinda do exílio no pós-anistia, também “se tornou frente da oposição que ajudou a fazer que essa restituição fosse diferente do que o Estado queria”. Ao invés da Revolução, a esquerda passou a valorizar a democracia e as reformas gradativas que ela poderia gerar.

Citando a frase ‘Nada muda mais que o passado’, de Napoleão Bonaparte, no início de sua palestra, Wadih Damous  tentou explicar como é o trabalho de uma Comissão da Verdade. Para ele, lidar com a interpretação dos fatos de acordo com diversos pensadores pode ser difícil.  Com essa ressalva, ele criticou duramente algumas teorias que defendem a ideia de que a Ditadura durou apenas sete anos – de 1968 a 1975. Para o advogado e presidente da Comissão da Verdade, essa “tese não se sustenta com os fatos”, pois já havia supressão de direitos constitucionais antes de 68.

Damous ainda disse que o poder público não tem como enfrentar o legado deixado pela Ditadura e ressaltou o importante papel que as Comissões da Verdade têm na resolução dos crimes cometidos entre 1964 e 1985. Por serem independentes, diferentemente dos outros órgãos de justiça, que atuaram como braços e pernas do regime, as Comissões podem fazer uma radiografia de como a repressão política atuou no país. Entretanto, ele faz uma crítica em relação ao fato de não terem sido criadas anteriormente e por não contarem com a assessoria de historiadores.

Para uma plateia curiosa e concentrada, Wadih Damous detalhou quais são as principais prioridades das Comissões espalhadas pelo país. A primeira é a questão dos desaparecidos políticos, já que tortura e desaparecimento foram políticas de Estado; a segunda é a questão dos atentados terroristas promovidos pelo regime. Para comprovar isso, ele citou o desaparecimento de Stuart Angel; a cadeia de comando dos desaparecimentos submetida aos Ministros e, até mesmo, ao Palácio do Planalto e os atentados do Riocentro e a carta-bomba entregue na OAB.

Para finalizar a sua fala, ele disse que o objetivo, ao fim das Comissões da Verdade, é transformar todos os centros de tortura em grandes centros de memória com o “objetivo de que isso nunca mais aconteça”.

10405589_779784855386047_5817608852741518115_n

Uma plateia concentrada e lotada de jovens estudantes ouvia com atenção o que os palestrantes tinham a dizer e ensinar sobre Ditadura (Foto: Larissa Morais)

Filho de Vladimir Herzog, um dos mártires da Ditadura Militar Brasileira, o engenheiro Ivo Herzog falou de como a TV Cultura, onde trabalhara Vlado, se tornou alvo na política de extermínio aos comunistas e relembrou que José Maria Marin, atual Presidente da Confederação Brasileira de Futebol, quando Deputado Estadual, fez uma homenagem ao torturador Sérgio Fleury Filho em 1975, ano da morte de seu pai. Para muitos, o ex-governador de São Paulo fechou os olhos para o assassinato de Herzog.

Além da permanência de Marin na vida política do país, Ivo indica outras questões mal-resolvidas da historiografia brasileira, como o assassinato de mais de dez mil pessoas pelo Estado desde o fim da Ditadura. Para ele, essas questões ainda atormentam a mente dos brasileiros, pois “nunca se passou essa história a limpo”.

Como diretor-executivo do Instituto que leva o nome de seu pai, Ivo trabalha no resgate da memória do Brasil. Com o Projeto ‘Resistir é Preciso’ , o Instituto vem promovendo a exposição de mesmo nome, sobre a Ditadura, em virtude do cinquentenário do primeiro de abril de 1964. Atualmente, a exposição está na cidade de Belo Horizonte. Questionado sobre o fenômeno Black Bloc, ele disse que não o acha benéfico para a sociedade, pois não acredita existir justificativa para a violência.

Outro que não acredita na violência como forma de mobilizar a sociedade é o ex-militante do Movimento Revolucionário 8 de outubro (MR-8) e assessor de Comunicação da Comissão Estadual da Verdade, Cid Benjamin, que tem como inspiração o que Nelson Mandela fez na África do Sul pós-Apartheid. Segundo Cid, não deve se criar um clima de revanchismo no país. Para ele, as Forças Armadas deveriam lidar com mais maturidade com as denúncias feitas pela Comissão de Verdade, em vez de se calarem.

“É preciso criar anticorpos para que isso não aconteça de novo no futuro” – completou Cid.

Logo após uma pausa para o coffee break e entrevista com os convidados da primeira mesa, deu-se início a segunda ronda de debates com novos convidados. Desta vez, o tema central das discussões foi o papel da mídia alternativa durante a Ditadura e contou com a mediação do Professor Márcio Castilho.

O Papel da Imprensa Alternativa na Ditadura

A segunda mesa de debates teve como convidados o Cartunista Claudius, que foi um dos fundadores do Jornal “O Pasquim”, uma das principais vozes de oposição à Ditadura Militar; Argemiro Ferreira, Jornalista e ex-integrante do Jornal “A Opinião” e Milton Coelho da Graça, ex-repórter da Revista “Realidade” e ex-chefe de redação de diversos jornais clandestinos durante o Regime, entre eles o “A Resistência”.

Atualmente chargista da edição do Jornal “Le Monde Diplomatique” no Brasil, Claudius falou sobre o início do Pasquim e de como foi driblar a censura imposta pelo Estado nos anos ditatoriais. No início, ele ficou durante apenas três meses colaborando com o jornal. Após a prisão de alguns membros da publicação pela Ditadura e com a reformulação feita por Milôr Fernandes e Henfil, ele voltou a trabalhar no Pasquim por ter considerado o convite irrecusável, mesmo sendo avisado de que “sobrava trabalho, mas faltava dinheiro.”

Em relação aos dribles dados na censura, o cartunista falou sobre a importância que as fábulas tiveram para o jornal no período em que ele esteve em circulação. Como eram usados animais como personagens para relatar os problemas sociais que o país vivia, ficava mais fácil passar pelos censores do que um texto, por exemplo.

“Experiência que faz parte de uma geração de teimosia muito grande de tentar passar pela censura” – definiu o cartunista.

Com bom humor e muita nostalgia, a segunda mesa falou sobre como a imprensa alternativa driblava a censura (Foto: Equipe Controversas)

Com bom humor e muita nostalgia, a segunda mesa falou sobre como a imprensa alternativa driblava a censura (Foto: Ildo Nascimento)

Argemiro Ferreira chegou ao Rio de Janeiro depois de ter sido procurado pelos agentes de repressão no jornal em que trabalhava em Minas Gerais, devido à sua militância sindical. No Rio, trabalhou em diversos jornais como o “A Opinião” e o ” Jornal do Brasil”. Muitas vezes, segundo ele, o trabalho nos jornais se dava em concomitância, pois o salário era baixo.

O jornalista definiu que a sua melhor experiência em redação foi quando trabalhou no JB, pois lá na pesquisa do jornal ele poderia ler muito e escrever o que queria. Ele ainda reviveu as memórias de quando ficou três meses como correspondente nos Estados Unidos.

“Era o meu sonho de sempre trabalhar no Jornal do Brasil” – relembrou o jornalista.

Formado em Direito e em Economia, Milton Coelho da Graça escolheu o jornalismo como profissão há mais de 50 anos. Talvez seu caráter crítico já estivesse florescendo, quando foi preso em 1964, após participar  de um comício pela Petrobras e outro da UNE. Comícios esses que foram responsáveis pela sua demissão de uma empresa multinacional.

Além de preso, na juventude, Milton foi responsável por recolocar a esquerda na presidência da União Nacional dos Estudantes. Além do seu jornal “O Picolé”, responsável por essa vitória, o jornalista por opção foi repórter da revista “Realidade”; “Isto É”, “Placar” e “Quatro Rodas”.

Ele ainda afrontou a Ditadura com os seus jornais clandestinos “A Resistência”, de 1969, e “Notícias Censuradas”. Neles, foram colocados como manchete o roubo de bazucas feito por Lamarca; e a tortura de padres feita pelo regime. Trazendo para a segunda mesa, o debate da primeira, ele criticou quem condena a violência e relembrou que o mundo só mudou com as Revoluções Francesa, Chinesa, Vietnamita e Russa.

Controversas abre as portas do IACS nesta terça-feira com mais debates

E nesta terça-feira, o Controversas continua com mais duas rodas de debate no auditório do IACS. A primeira vai falar sobre as reportagens que abalaram a Ditadura. Com a mediação da professora da UFF Ana Bownworcel, a mesa receberá   o ex-repórter do Jornal “Estado de São Paulo” Antero Luis Martins Cunha, o repórter especial do Jornal “O Globo” Chico Otávio e a repórter especial do Jornal “O Dia” Juliana Dal Piva.

Às 19 horas, o esporte será o tema dos debates com a mesa Politica e Copa do Mundo: da conquista do Tri às manifestações de hoje e receberá Afonsinho, que é ex-jogador e colunista da Revista “Carta Capital”, o sociólogo Maurício Murad e o jornalista Teixeira Heizer, que participou da cobertura do Tri. A mediação ficará por conta da Jornalista e Professora da UFF Sylvia Moretzshon

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s